Eugenio Montale – Xenia I

1 Querido pequeno inseto que chamavam de mosca, não sei por quê, esta tarde quase ao escurecer enquanto lia o Segundo Livro de Isaías reapareceste ao meu lado, mas não tinhas óculos, não podias me ver nem podia eu sem aquela centelha reconhecer-te no escuro. 2 Sem óculos nem antenas pobre inseto que asas só … Continue lendo Eugenio Montale – Xenia I

Eugenio Montale – A enguia

A enguia, a sereia dos mares frios que deixa o Báltico para alcançar os nossos mares, nossos estuários, os rios que sobe pelas profundezas, contra a enxurrada, de braço em braço e depois de veio em veio, cada vez mais delgados, sempre mais dentro, sempre mais perto do coração da rocha, filtrando-se por regos de … Continue lendo Eugenio Montale – A enguia