Antonio Carlos Secchin – [Não, não era ainda a era da passagem]

Não, não era ainda a era da passagem
 do nada ao nada, e do nada ao seu restante.
 Viver era tanger o instante, era linguagem
 de se inventar o visível, e era bastante.
 Falar é tatear o nome do que se afasta.
 Além da terra, há só o sonho de perdê-la.
 Além do céu, o mesmo céu, que se alastra
 num arquipélago de escuro e de estrela.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s