Wendell Berry – A Paz das Coisas Selvagens

Quando as dores do mundo crescem em mim
e eu desperto na noite a um mínimo ruído
temendo pelo que poderá ser de minha vida e das de meus filhos,
eu saio e me deito onde o pato carolino
descansa em sua beleza na água, e a garça se alimenta.
Eu penetro na paz das coisas selvagens
que não tributa suas vidas com premeditações
de tristeza. Eu me coloco na presença da água parada.
E eu sinto acima de mim as estrelas cegas
esperando com suas luzes. Por um tempo
eu descanso na graça do mundo, e me sinto livre.

Trad.: Nelson Santander

The Peace of the Wild Things

When despair for the world grows in me
and I wake in the night at the least sound
in fear of what my life and my children’s lives may be,
I go and lie down where the wood drake
rests in his beauty on the water, and the great heron feeds.
I come into the peace of wild things
who do not tax their lives with forethought
of grief. I come into the presence of still water.
And I feel above me the day-blind stars
waiting with their light. For a time
I rest in the grace of the world, and am free.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s